quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Senna Tricampeão - Grandes Momentos

Na temporada de 1991 a Williams voltava a ter um grande carro e consequentemente disputava o título mundial com a McLaren, campeã durante três anos consecutivos, tanto com pilotos como construtores. Era uma hegemonia tentando ser quebrada por Frank Williams, Nigel Mansell e Riccardo Patrese.

O dominio da temporada estava por conta de Senna e Mansell, mas ainda com vantagem para o brasileiro que venceu as quatro primeiras corridas e manteve uma maior regularidade. A supremacia deles era tão grande que dos dezesseis Grandes Prêmios disputados, Ayrton venceu sete vezes contra seis do Leão.

Eles chegaram em Suzuka, no Japão, com Senna podendo conquistar o título com uma corrida de antecipação. A McLaren estava disposta em dicidir tudo no circuito japonês e com isso conseguiu colocar seus carros nas duas primeiras posições, Berger como a pole seguido por Ayrton em segundo. O trabalho de Mansell ficou ainda mais complicado, pois largava do terceiro lugar.

Foi dada a largada e Gerhard Berger logo foi se distanciando dos dois pilotos que brigavam pelo campeonato. A Leão vinha pressionando Ayrton para tentar a ultrapassagem e continuar vivo na disputa, mas no início da décima volta numa tentativa desesperada, o inglês perde o controle de sua Williams e vai direto para a caixa de brita, colocando um ponto final na briga pelo título.

Depois disso foi uma corrida particular da escuderia McLaren. Senna ultrapassou Berger na décima oitava volta e estava rumo a mais uma vitória, mas veio uma ordem da equipe para que o brasileiro cedesse o primeiro lugar ao austríaco. Na última curva o campeão deixa Gerhard Berger passar e vencer sua primeira prova na equipe. Ayrton Senna faz a festa pelo tricampeonato e a McLaren conquista pela quarta vez seguida o título de pilotos e construtores.

Abaixo, deixo um video com o registro dos metros finais do Grande Prêmio do Japão de 1991 narrado pelo entusiasmado Galvão Bueno.

video

Leandro Montianele

11 comentários:

Felipão disse...

Ahhhhhhhhhh que saudade dessa época,,,

Marcelonso disse...

Grande Leandro,

Lembro muito bem dessa prova,Senna preferiu segurar Mansell e deixar Berger sumir.
Quando na entrada da primeira curva feita a direita Mansell escapa e vai para a brita,lembro do Galvão berrando: Passou reto Mansell,passou reto Mansell!!!!

Em seguida Senna imprimiu um ritmo frenético chegando a passar Berger,mas no fim cedeu a vitória ao austriaco.

Foi um tremenda festa naquela madrugada.

abraço

Marcos Antônio Filho disse...

grandes momento do Senna!
Na época eu não era tão fã da Williams,mas eu adorava o Mansell. E o Senna de certa forma,me fez ficar apaixonado pela F1

Alexandre Ribeiro disse...

Caro Montianele:

Essa narração do Bueno gerou um tremendo mal estar com Senna e abalou a amizade entre os dois. É a velha história: quem muito fala acaba dando bom dia a cavalo...

Luiz G disse...

Aquela não foi a primeira vitória de Berger...mas a primeira dele na McLaren.

Ele venceu sua primeira corrida em 1986 com a Benetton, depois venceu mais 4 com a Ferrari (2 em 1987, 1 em 1988 e mais 1 em 1989).

Berger chegou na McLaren copm um currículo de 5 vitórias e terminou a carreira com 10.

Ron Groo disse...

Uma bela lembrança, mesmo não sendo o maior fã de Senna, é forçoso reconhecer que ele era genial.

Net Esportes disse...

ver Mansell correr era demais, ele era muito louco !!!!!!!!

Grandes lembranças de uma grande época, aliás eu podia jurar que o Senna havia deixado o Berger ganhar por conta dele e não uma ordem da equipe .... tipo um presente dele pro austríaco !!!!!

Daniel Leite disse...

Nos tempos de Senna, as narrações do Galvão Bueno eram absolutamente fantásticas!

Da mesma forma que as provas propriamente ditas. Sobre a cortesia no final da prova, acredito que o Senna deixaria Berger passar ainda que a equipe não lhe solicitasse. Todos os envolvidos na F-1 dão conta de que os dois eram muito amigos. Aliás, este tipo de parceria anda em escassez, com as rivalidades internas muito aguçadas. Talvez Hamilton-Kovalainen seja a dupla mais pacífica, aquela em que os pilotos sabem claramente seus papéis.

Até mais!

Sobre o Futebol Carioca disse...

PO O SENNA, FAZ MUITA FALTA

Leandrus disse...

Minha mãe tem uma fita de vídeo (que agora conseguimos passar para dvd, pq já tava muito ruim) que tem várias largadas, últimas voltas e pódios de vitórias do Senna, e uma das minhas narrações preferidas é essa; via muito quando era criança.

Só que, se não me engano, nem Berger nem Senna ficaram muito contentes com essa troca de posições na última volta...só mesmo Ron Dennis e Galvão Bueno...

Ateh!

GiglioF1 disse...

Leandro,

Sempre é bom relembrar...Creio vamos construir novas historias de exito...
Grande abraço!!!