quarta-feira, 25 de junho de 2008

O Erro de Ron

Amigos leitores, amantes do automobilismo, alguém saberia me dizer o tamanho do erro de Ron Dennis em 2007?

Esqueçam os casos de espionagem, as lágrimas de cunho duvidoso, a briga entre os pilotos, nada disso é tão importante quanto o reflexo que suas ações obtiveram em 2008.

Vejamos os fatos. A última vitória de Alonso em 2007 foi em um chuvoso Grande Premio de Nürburgring, onde o espanhol fez a bela ultrapassagem em Felipe Massa, que o brasileiro vendeu muito caro e houve até discussão devido ao toque entre os dois. Depois disso, Alonso foi extremamente inferior a Lewis Hamilton, mostrando que a diferença de equipamento entre os dois era gritante. Hamilton fazia poles, liderava provas e Alonso ficava sempre a espreita para galgar posições ante os deslizes dos concorrentes. Com o atual sistema de classificação, o asturiano via sua diferença para os concorrentes diminuírem pouco a pouco, e somente nos consecutivos erros de Hamilton, chegou à última prova em Interlagos com reais chances de título. Curiosamente ninguém apostava em Alonso para levar o campeonato, pois Hamilton era a estrela da vez, era o mais consistente e super favorito, além do mais Raikkonen e Alonso precisavam de uma série de combinações de resultado para que conquistassem o título mundial. O resto do filme todos conhecem, a McLaren saiu com a imagem manchada pelo caso de espionagem e sem o troféu e Raikkonen foi o dono da virada mais emocionante de um campeonato de Fórmula 1 nos últimos anos.

Agora, vejamos por uma óptica diferente toda a trajetória da McLaren em 2007. Digamos que o detentor de dois títulos mundiais e que fora trazido a peso de ouro da Renault, cujo carro fora completamente baseado em seu estilo de pilotagem, que ganhou a simpatia dos ingleses dizendo que seu real sonho era guiar pelo carro da equipe que abrigou campeões como Alain Prost e Ayrton Senna, e não o carro campeão com Schumacher, digamos que ele fosse escolhido pelo chefe de equipe como o piloto a ser batido e, mesmo diante da grata surpresa do melhor novato que a categoria já teve, esse mesmo chefe de equipe fizesse a escolha para que todas as regalias fossem dadas ao bicampeão mundial, dando ao novato a chance de aprender a liderar uma equipe, realizar setups cada vez mais bem elaborados, conhecer cada parte do carro, dar melhores informações aos engenheiros, ganhar experiência em corridas, conhecer melhor os circuitos, acompanhar o ritmo do professor e moldá-lo como um futuro campeão. Ron Dennis não o fez. Poderíamos ter em 2007, e certamente teríamos, Fernando Alonso tricampeão, Lewis Hamilton vice-campeão, a McLaren continuando o processo evolutivo do carro e, em 2008, um Lewis Hamilton podendo sim ser um postulante ao título e sem precisar colocar a equipe toda contra o parceiro de time. Seria um concorrente natural. Ele aprenderia o que é liderança, faria tudo para o bom desenvolvimento do carro e poderia brigar com Alonso, novamente, em igualdade. A situação para o sonho de Ron Dennis em gerar na equipe inglesa um campeão inglês, foi adiada em 2007 e ficou ainda mais difícil em 2008. Enquanto vê seu pupilo ter um campeonato irregular tendo a cobrança e pressão de bons resultados, que seriam de Alonso, caso este fosse campeão, vê Alonso fazer um ótimo campeonato, tirando leite de pedra no fraco carro da Renault, que pode ser considerado o pior das equipes médias, que tem Red Bull, Toyota e Williams.

O real erro de Ron Dennis foi ter se precipitado em um ano e que pode ter acabado jogando fora os outros treze em que investiu no garoto negro de classe média, que se tornou um herói das minorias, que tinha um padrinho poderoso e muito, mas muito talento. Dennis foi um visionário e preparou os passos de Hamilton para o grande triunfo de sua vida. Ganhou com primazia as categorias de base e a cada ano provava que a aposta de Ron Dennis sempre foi em um cavalo vencedor. Mas o cavalo de Ron acabou caindo, e não diante do cavalo empinado do Comendador Enzo Ferrari, mas do ego de seus jóqueis, que acabaram brigando entre si. Não defendo um ou outro piloto, mas Alonso em 2007 pode até ter sido irregular, mas com o companheiro de equipe ao seu lado, aprendendo e dividindo experiências e trabalhando para um bem comum, o campeonato de 2007, que está para vir desde 1999, certamente seria da equipe de Woking, mas optaram pelo novato. 2007 era o ano de Alonso, era o ano do tri, era o ano da elevação da McLaren e da dúvida da Ferrari sobre a aposentadoria de Schumacher, era o ano em deixar Luca de Montezemolo de cabelo em pé, de atrasar a aposentadoria de Jean Todt. E como uma confeitaria que tira o bolo um minuto antes da hora certa, ele não cresceu o suficiente, e acabou caindo. Hoje a McLaren estampa os últimos números do grid devido a um ato falho de caráter de, pelo que ficou provado e julgado, um funcionário isolado. A instituição McLaren sofreu um baque, a marca continua forte e o carro também, mas sem a experiência de um piloto com carreira consolidada, aposta nos conceitos quase empíricos de dois novatos. Kovalainen, como prova, vai dando trabalho a Hamilton, e Hamilton parece que perdeu o timer, perdeu a referência. 2008 poderia ser o ano de Hamilton, onde estaria em grau de igualdade à Alonso, o suposto tricampeão, mas não, Dennis optou por arriscar, e arriscou muito cedo. Pensou que poderia levar a terra da rainha e berço do automobilismo, um campeão em potencial com status de lenda. Hamilton em 2007 era cotado para assumir o lugar de Michael Schumacher, hoje pena e agradece a falta de sorte de Kovalainen para estar bem no campeonato. Convenhamos que Hamilton estava muito melhor como segundo piloto e companheiro de Alonso, do que como primeiro piloto e tendo todas as regalias que a McLaren, mesmo negando de pés juntos, lhe oferece.

E eis o grande erro de Ron Dennis, Hamilton poderia ter se contentado com o número 2 no chassi de seu carro, e hoje poderia estar brigando para ser o número 1. Mas, ao que tudo indica, terá de começar a galgar a partir do número 22.

Portanto, amigos leitores, Sir Ron resolveu tirar o macarrão da água antes do tempo e colocar o molho de tomate em cima de qualquer jeito, e fez com que a macarronada não ficasse muito boa. E se a macarronada da McLaren não anda muito bem, a Ferrari agradece, porque de macarrão a Itália entende.

Iceman®2008

13 comentários:

Leandro Montianele disse...

Eu ainda não tinha enxegado por este lado os problemas da McLaren em 2007.

É certo que se a escuderia inglesa mantesse Alonso no time e trabalhando em cima de Hamilton para o futuro, poderiamos ter um ciclo grande de campeonatos vencidos pela McLaren, assim como os 5 títulos consecutivos da Ferrari com Schumi.

Infelizmente este ano a McLaren sofre as consequências pelos atos de 2007.

Show de bola o texto!!

Abraços!

Leandro Montianele

Blog F1 Trulli disse...

Muito bom seu texto, gostei d ler, + tenho q descordar (opinião pessoal, claro):

diminuo a culpa d Ron Dennis, em privilegiar Hamilton (q ficou claro), acho q o + culpado foi o próprio Alonso, q chegou se achando o imbatível e ñ admitia o fato (pq aconteceu sem privilégios) d ser superado por um estreante... ñ concordo com Ron Dennis em favorecer um piloto sendo q os 2 tavam na disputa pl título, porem concordo em mandar Alonso cata coquinho (se um piloto era pivor d desentendimento na equipe, q vaze)...

onde vc tirou esse ótimo campeonato de Alonso esse ano? Eu diria desastroso campeonato (seqüências d erros, sobre erros). Renault pior carro dos intermediários? Não mesmo! em vários Gps mostrou q era pario c/ as BMW (próprio Briatore apostava nisso), porem c/ os erros de Alonso e a incompetência do Piquet ñ tiveram resultados a altura. Renault tem o melhor carro dos intermediarios os pilotos q ñ mostram resultados...

Kovalainen dando trabalho ao Hamilton? Desde quando? ... nem vou comentar isso viu. Hamilton ta mostrando q é inexperiente e vai aprender c/ seus erros, NORMAL! Eddie Irvine q o diga...

O erro do Dennis pra mim esse ano foi contrar Kovalainen e apostar em 2 inexperientes, deveria contratar, Jarno Trulli por ex. (eu tinha q citar Trulli huahauah) q poderia ajudaria muito a equipe e o próprio Hamilton...
Foi mal me empolguei em escrever ahuahuahauhauahuahh

Abração

Até +

Priscilla Bar disse...

Adorei o "como nao fazer um macarrao"...rs

Eu concordo plenamente com tudo que vc disse.Nada a acrescentar.

JCT disse...

Concordo plenamente com o texto, brilhante reflexão, porem acrescentaria mais um detalhe, o fato de Ron Dennis apostar em Hamilton como se ele fosse um novo Ayrton Senna, que em seu primeiro ano de Mclaren desbancou o melhor piloto da época (Prost) e foi campeão em cima dele mantendo a equipe como melhor do mundo por um longo tempo, acontece que não vai existir um novo Senna, e sendo assim, a única maneira de Ron Dennis manter sua aposta foi privilegiando Hamilton, acredito sim que o equipamento do Alonso não estava a altura do de Hamilton do meio da temporada para o fim, a mesma coisa acontece com o Kovalainen, foi só ele começar a andar na frente do Hamilton q derrepente começa a ter desempenho muito aquém do seu começo de campeonato, não vejo nada gênio no Hamilton, pois se esse adjetivo fosse usado para ele, teríamos que encontra outro para Senna e outros excelentes pilotos.... Até agora Hamilton não passa de um produto de marketng que já é olhado com desconfiança até pelo seu próprio país, acredito muito mais no potencial de Kubica e Nelssinho q entraram na formula 1 em equipes inferiores e podem crescer juntamente com o desenvolvimento delas, assim como o foi todos os grandes pilotos.

Abs

Marcos - Blog da GGOO disse...

Parabéns Ice, sempre com otima visão dos acontecimentos.

Assino aonde?

Alexandre Ribeiro disse...

Parabéns ao autor do excelente artigo. Raras vezes li um artigo com uma análise tão boa do assunto abordado.

Leandrus disse...

Muito bom mesmo o texto. Só achei exagerada a parte em que vc disse que Alonso vem fazendo ótimo campeonato. Acredito que ele vem bem, mas poderia ser melhor, não fosse as besteiras feitas em Monaco, o erro na França e o descuido no Canadá (esse eu perdoo, rs).

E realmente, Ron Dennis cresceu o olho. Depois de Senna, ele nunca tinha se apegado tanto a um piloto. Em vez de pensar no campeonato, não conseguiu controlar a briga dentro da escuderia e deu no que deu. Agora, Hamilton passa pela "maldição da segunda temporada" e pior, não admite seus erros, criando um grande desconforto no seu país e ganhando a antipatia de muita gente.

Ateh!

OCTETO RACING TEAM disse...

Nossa!!!! Excelente texto!!!
Não preciso acrescentar mais nada !!

Vc falou bem ...a questão não é defender Alonso, e sim avaliar os fatos. 2008 está a prova que Ron Dennis fez a escolha errada!
Agora ele que "segure o rojão"!

AH!! Em relação aos cometários que discordam sobre o ótimo campeonato do Alonso, eu entendi de uma forma diferente. Acho que o Iceman fez uma análise proporcional ao carro que ele tem! Alonso não está fazendo uma temporada espetacular em resultados, mas não é qualquer piloto que manter-se em destaque e no auge tento uma carroça como a Reanult. Acredito que foi neste sentido que ele considerou para julgar o campeonato do Alonso.

AH!!!! Iceman... só tem uma coisinha...hehehe... a última vitória do Alonso foi em Monza!!!

Parabén pelo seu texto! Nota 10!!

Bjinhoss

Tati

mariane disse...

Adorei seu ponto de vista sobre esse assunto e concordo plrnamente com vc.
Ah! Sou muito sua fã e adoro seus comentarios.
bjos

Blog F1-V8 disse...

Somados a este erro, o maior de todos do Ron Dennis na minha opinião foi a SOBERBA. Achou que tinha os dois melhores pilotos da F1 pilotando o melhor carro... E ignorou a Ferrari e todo o seu know-how de ganhar títulos e Kimi Raikkonen que se sobressaiu e um campeonato totalmente tenso e fez uma arrancada sensacional na segunda metade do campeonato. Assim que Raikkonen ganhou os GPS da França e da Inglaterra em 1 semana, Mr Ron Dennis deveria ter ficado de orelha em pé e feito alguma coisa. Mas não, deixou a situação arrastar-se até o final, com Alonso e Hamilton com nervos aos frangalhos devido as disputas na pista e fofocas fora delas e foi engolido pelo Iceman de forma incontestável e absoluta no Brasil.

Acho que hj ele se arrepende de ter subestimado o Raikkonen em 2007... Agora vai pagar o preço de ver a Ferrari lutando pelo título com intervenções da BMW.

Net Esportes disse...

A preferência pelo Hamilton ano passado era bem nítida mas não faltou profissionalismo com o Alonso, se fosse o caso o espanhol não ficaria até a última corrida e ainda com chance de título........ acredito que o Hamilton possa melhorar nesse ano e está sendo um campeonato muito equilibrado com quatro pilotos de três equipes brigando forte, não sou nenhum fã da McLaren mas também não tenho nada contra..... acredito que a Ferrari sería uma boa pro Alonso ou até mesmo pro Kubica............. A Mclaren pode voltar a ser campeã e não vai ficar eternamente pagando preço por esses erros de percurso !!!!!

GiglioF1 disse...

Leandro & Cia,

Bom trabalho e muito " literato"...Este pobre mortal , vai um pouco na linha do meu amigo F1 Trulli...
Alonso teve uma concorrencia interna melhor que ele esperava...em 2007.

Este ano Kova deve muito...
De qq forma , uma das mais experientes equipes da F1 , tem 2 pilotos inesperientes...
É o Business...

Abraco do Giglio!!

Marcos Antônio Filho disse...

eu concordo plenamente com o texto(excelente por sinal).Se contratam o cara a peso de ouro,não seria ideal que trbalhasse em prol dele?Realmente a grande de Hamilton ter evoluido muito mais com a presença de Alonso mais tempo na equipe era imensa...agiora nem sei se o negão tem pique pra ser campeão mundial...
abraços!