domingo, 13 de abril de 2008

McLaren parte I - Série Grandes Equipes

Estamos estreando aqui no Blog a série Grandes Equipes que contará um pouco mais sobre as tradicionais escuderias da Fórmula 1. Dividida em três partes, vamos abrir a série contando um pouco mais sobre história da McLaren.

O início de tudo

Fundada em 1963 pelo neozelandês Bruce McLaren (1937 - 1970), inicialmente como uma contrutora de carros esportivos. Sua estréia em corridas aconteceu em 1966 no GP de Mônaco, mas a participação de Bruce na prova foi curta, graças a um vozamento de óleo no carro. O planejamento de 1966 fracassou por uma má escolha dos motores - Bruce escolheu uma opção de motor 4.2 Ford Indy, que gerava muito barulho, porém pouca força, além de ser grande e pesado. Ironicamente Jack Brabham adotou um Repco - motor desenvolvido com base no bloco similar Oldsmobile, que Bruce utilizava nos seus carros esportivos, e utilizou na sua equipe nos campeonatos mundias de 1966 e 1967.


Bruce abandonou a Ford em busca de um novo motor e conseguiu um acerto com o Sereníssima V8 (um descendente do velho ATS V8) para que a equipe fizesse seu primeiro ponto. Em 1967, ele inicialmente mudou para um carro de Fórmula 2 levemente aumentado. Um carro movido por um motor 2.0 BRM V8, antes de contruir um carro similar, porém um pouco aumentado, chamado M5 com um BRM V12. Este era decididamente muito rápido, mas apresentava muitos problemas, então ele dicidiu que a equipe adotaria o motor Cosworth DFV.


Em 1966 e 1967 correu com apenas um carro no compeonato e com Bruce no cockpit. Em adição ao GP's disputados, ele correu o CAN - EUA Championship daquele ano e em parceria com Denny Hulme, a dupla venceu cinco das seis corridas do campeonato.

No ano de 1968, com o motor Cosworth empurrando o M7, a equipe colocou dois pilotos no campeonato mundial de Fórmula 1 e Denny Hulme também guiou para a McLaren no CAN - EUA Championship naquele ano. Bruce venceu a prova extra oficial Corrida dos Campeões, no circuito de Brands Hatch e o circuito da Bélgica foi a cena da primeira vitória da equipe no campeonato de Fórmula 1. Hulme venceu o GP da Itália e por último, o do Canadá naquele ano.


Os outro três pódios da equipe foram conseguidos por Bruce em 1969, mas a quinta vitória teve que esperar até a última corrida do campeonato, quando Hulme venceu no México. No CAN - EUA Championship, a McLaren venceu todas as 11 corridas do campeonato, com cincos vitórias de Bruce e seis de Hulme, que também arrematou o título de pilotos.


Na quarta-feira estaremos postando a segunda parte da história dessa grande equipe que é a McLaren.

Abraços!

Deyvison Nascimento e Leandro Montianele

10 comentários:

Speeder_76 disse...

Bela biografia. Só não entendi o CAN-EUA à primeira, mas depois vi logo!


Ah... um conselho de um veterano: metam as vossas fontes no post, que pode haver sempre alguém que queira pesquisar mais além. E também para que não vos acusem de plágio ou invenção...


Um abraço!

Augusto Roque disse...

Belo texto...belo carro cor de laranja...

OCTETO RACING TEAM disse...

Deyvison e Leandro...

Parabéns pelo texto!!!

Bjinhoss

Tati

Leandrus disse...

Legal a série! Vou continuar acompanhando!

Ateh!

Blog F1-V8 disse...

Nossa, ótima iniciativa!! Falar sobre a históia das grandes equipes é sempre bom e na maioria das vezes os sites de automobilismo não abordam este aspecto histórico. Parabéns!!

Marcos 5-3-3 disse...

Faço minhas a palavras do V-8.

Rodrigo Morano disse...

Bem legal mesmo, as fotos os textos, parabéns.

Blog F1 Grand Prix disse...

Gostei da idéia! Essa McLaren laranja era realmente belíssima. A equipe chegou a correr a pré-temporada de 2006 com uma pintura nessa cor, mas depois voltou ao prateado usual. Teria ficado legal o laranja...

Grande abraço!

Gustavo Coelho

Marcos Antônio Filho disse...

Belo texto sobre a McLaren.Mas a melhor equipe britânica é a Williams :D

Abraços

Daniel Leite disse...

Grande idéia a de retratar a história das grandes equipes!

A McLaren deve seu histórico a Ron Dennis, grande empreendedor. Ela abrigou pilotos fantásticos, especialmente nos últimos vinte anos. Na minha opinião, inclusive, os dois melhores depois de MS: Senna e Proist, nessa ordem.

Abraço, Leandro!